FAQ

1 - O que é TCP?

Mais

O TCP – Terminal de Contêineres de Paranaguá é o terceiro maior terminal de contêineres do Brasil. Tem como sócias as empresas Advent International, Tuc Participações Portuárias S/A, Pattac, Soifer Participações Societárias, Grup Maritim TCB e Galigrain.

2 - Quando foram iniciadas as atividades do TCP?

Mais

Fundado em 1998, o TCP é responsável por administrar um dos mais importantes terminais de contêineres do País, localizado na região sul e conectado por importantes eixos rodoviários e ferroviários. Sua criação está inserida no projeto nacional de modernização dos portos brasileiros, implantado a partir da Lei 8630/93, visando aumento de competitividade do sistema portuário. Desde a sua fundação o TCP vem investindo substancialmente em infraestrutura, superestrutura, tecnologia de informação e desenvolvimento de pessoas, contribuindo para a modernização do Porto de Paranaguá, que hoje é um dos mais avançados e completos da América do Sul.

3 - Quais são os diferenciais do TCP?

Mais

Diferenciais do TCP:
Alta produtividade, média acima de 80 MPH;
Operação de todos os grandes armadores;
Acesso ferroviário direto ao TCP;
Sete dias livres de armazenagem na exportação e 1º posicionamento gratuito;
Dez dias livres de armazenagem na importação;
Admissão de contêineres reefer 24 horas por dia;
Câmara de reinspeção para produtos frigorificados, com duas docas e SIF próprio;
Serviços semanais regulares com cobertura global (Ásia, Europa, Américas e África);
Instalações próprias para a Receita Federal (plantão 24h) e para o Ministério da Agricultura (Corredor de Congelados do Paraná);
Programa Q&S e ação constante sob as normas de certificação ISO 9000;
Área de contenção para cargas químicas ou perigosas, de acordo com as regras ambientais ISO 14001;
Terminal certificado com o ISPS Code.

4 - Qual a importância do Porto de Paranaguá?

Mais

Após mais de 14 anos de concessão, gestão e operação do terminal de contêineres de Paranaguá o TCP se mostrou fundamental para os estados da região sul do País, consolidando o Porto de Paranaguá como o segundo mais importante do Brasil. A Companhia possui localização estratégica no estado do Paraná e constitui uma plataforma logística de grande importância para o comércio entre os países que integram o Mercosul, além de possuir significativas conexões com a União Europeia, Canadá, Europa, África e Oriente Médio e Extremo Oriente.

5 - Qual é o tamanho do TCP hoje?

Mais

O TCP possui 564m de cais com dois berços de atracação dedicados a navios full container, com 320 mil m² de pátio para armazenagem de contêineres e 12 mil m² de armazém alfandegado para operações de ova e desova. Dispõe ainda de estrutura para abrigar a Receita Federal e Ministério da Agricultura. O TCP é um dos únicos terminais brasileiros que dispõem de integração intermodal, disponibilizando ramal ferroviário dedicado para contêineres que adentra ao terminal com escalas diárias. São seis portões de acesso com balança, informatizados e ligados ao sistema de controle, e um portão especial para cargas com excesso de medidas. A estrutura da empresa conta também com três subestações de 13.8Kva para suportar as tomadas reefer, iluminação e equipamentos portuários e 2.812 tomadas para contêineres reefer, com projeto de aumentar esse número para 4 mil tomadas. As cargas químicas ou perigosas têm uma área de contenção específica, em conformidade com as regras ambientais da certificação ISO 14000. Confira mais algumas das particularidades de estrutura do TCP:
Infraestrutura
Pátio de armazenagem de contêineres com 320.000 m².
Cais de 564 m com dois berços de atracação dedicados a navios full container, com previsão de entrada em operação do terceiro berço em 2013.
Seis portões de acesso (com balanças) totalmente informatizados e ligados ao sistema de controle. Existe ainda um sétimo portão, especialmente construído para cargas com excesso de medidas.
Área de contenção para cargas químicas ou perigosas, em conformidade com as regras ambientais da certificação ISO 14001.
Ramal ferroviário interligado à malha da ALL/Brado.
O armazém alfandegado conta com 12.000 m² para operações de importação e exportação, utilizando o sistema de docas.
Câmara de reinspeção para produtos frigoríficos, com duas docas e SIF próprio.
Superestrutura
6 STS (Ship-to-shore Gantry Crane): dois Kone Cranes (Panamax); dois IMPSA (Pós-Panamax); e dois Liebherr (Pós-Panamax) para carga e descarga dos navios.
2 MHC (Mobile Harbor Crane) Gottwald, para carga e descarga dos navios e também para cargas de projeto.
20 RTG (Rubber Tyred Gantry Crane): 16 Kone Cranes e 4 Kalmar, para carga e descarga de caminhões no pátio.
5 RS (Reach Stackers): 3 Kone Cranes e 2 Terex, para posicionamento de contêineres cheios.
3 EV (empilhadeiras de vazios): 2 Kalmar e 1 Kone Cranes para até 7 contêineres de alto.
24 Terminal Tractors: 12 Sisu Magnum e 12 Terberg com 5ª roda e hidramáticos, para movimentação entre pátio e costado.
Scanner (Raio-X) Heimann Cargo System Silhouette, Scanner Smiths HCVP (xoperação em /2012) e OCR– Optical Character Recognition (operação em 2012).

6 - Quais são as principais operações do TCP atualmente?

Mais

Perfil das cargas movimentadas pelo terminal: EXPORTAÇÃO: agronegócios, carnes (bovino, suíno, frango), sendo líder nacional, indústria de papel e celulose e madeireira. IMPORTAÇÃO: indústria automobilística, eletroeletrônica, química e alimentícia.

7 - Essas operações são constantes ou sazonais?

Mais

Constantes, excetuando alguns produtos sazonais, como açúcar, algodão, etc.